Pages

Um estranho louco por cu


Meu nome é Sara, 1,67 m, 66 kg, morena clara e esses fato aconteceram quando eu tinha 20 anos. Moro numa região costeira, logo, frequentei muitas praias e festas em piscinas. Olhava isso de forma normal, mas nunca imaginei que nessas circunstâncias conheceria o homem que mudou minha vida.

Certo dia, fui à praia. O sol se escondia por trás de algumas nuvens, mas sabíamos que ele estava lá. Eu usava um biquíni azul royal. A parte de cima era bem comum, mas confesso que a parte de baixo chamava mais atenção do que eu imaginava. Isso não me aborrecia.

O biquíni era de lacinho nos lados, e um fio - literalmente - na parte de trás. Eu evitava abaixar-me em público. Nunca é bom ser processada por atentado ao pudor, não, é ?

O dia passou rápido e no final da tarde, hora em que costumo deixar a praia, havia muito pouca gente e eu resolvi ir na beirinha do mar, dar uma última lavada nos pés e deparei me com uma conchinha linda. Entusiasmada, abaixei-me para apanhá-la e fiquei agachada observando.

Não me lembrei que o fio que cobria o meu cu, só era eficaz quando eu estava em pé. Quando percebi uma brisa batendo na "portinha" foi que me lembrei. Levantei num segundo e de olhei para trás.

Há uns 5 metros estava um homem alto, moreno, com uma toalha nos ombros e uma mochila nas costas a observar aquilo que a maioria das pessoas não mostram a estranhos: O meu cu!

Disfarcei e ele também. Entrei no mar e esperei que ele fosse embora. Ele veio para a beira da praia e fez uma lenta caminhada até sumir da minha vista. Pensando nisso depois, fiquei muito excitada, mas na hora foi muito vergonhoso.

No dia seguinte, fui à festa na piscina da minha prima. Como o biquíni azul tinha enxugado, fui com ele mesmo. Dei uns mergulhos pela manhã e quando eu sai da piscina, pela escada, lembrei que meu cu estava praticamente exposto. Olhei de volta para a piscina e todos estavam distraídos conversando, exceto o homem da praia no dia anterior. Gelei.

- Como pode ele estar aqui? - Pensei. Arrumei minhas coisas e fui embora pra casa. Depois de uns dias descobri que ele é amigo comum da minha prima e uma turma da faculdade dela.

Alguns dias se passaram. A princípio, fiquei preocupada com o que havia acontecido naqueles dias, mas o tempo passou e o caso caiu no esquecimento. Certo dia fui pegar um cineminha e vocês já devem imaginar quem apareceu, né ? Ele.

Fiquei um pouco assutada, mas ele passou direto da minha fila. Porém, instintivamente olhou para trás, me viu e veio sentar se exatamente na poltrona ao lado da minha.

- Quem é você, cara?! Está me seguindo?!!

- Oh, não, desculpa!! Sério!!! Não tô te seguindo, não! Foi só coincidência!!

- Ah, sim...!! - Mas eu fiquei mesmo assustada. Coloque se no meu lugar, você também ficaria assutado se encontrasse um estranho três vezes seguidas.

- Primeiramente, meu nome é Léo!! Pronto!! Não sou mais um estranho!! Segundamente, ficaria muito feliz por encontrar alguém tão lindo quanto eu três vezes seguidas.

Tive que rir. E a tensão sumiu. Já me sentia íntima dele. Falei meu nome, conversamos, mas as duas cenas vergonhosas da praia e da piscina estavam lá, martelando na minha cabeça. Apresentei me e no final do filme trocamos os números.

Dois dias depois ele me ligou e marcamos um passeio na praia. Porém, ele escolheu um lugar que eu sabia que era praticamente deserto. Topei. Fiquei com receio, mas ele me dava uma segurança que me tranquilizou em parte. Às 17:30 h cheguei na praia e ele já estava lá. Havia algumas pessoas na praia, mas estavam muito longe. Sentei ao lado dele.

- Não tiro você da cabeça! - disse ele.

- Nem eu, mas imagino que você tenha uma perspectiva diferente da minha!

- Como assim? Não entendi! - Ele falou com voz quase inaudível.

- Ah! Você sabe! Mulheres são melosas! E tem outra coisa, né!

- Que Coisa?

- Para, você sabe!! - Ele se aproximou de mim e falou mais baixo ainda.

- Não, não sei! Me fale!

Continuei no mesmo tom em que vinha conversando o tempo todo, porém comecei a me sentir excitada com o cheiro dele e a vontade de sentir os pelos da barba dele no meu ombro, já que estavam tão próximos.

- Pra mim, você é o cara misterioso que eu encontrei coincidentemente. Pra você, eu devo ser a vadia que mostrou o cu em público!! - Nesse momento, me senti molhada. Ele me olhou de forma irônica e se aproximou mais.

- Claro que não!! Você tem um belo cu, diga-se de passagem. Apesar de você não ser branca, tem uma mucosa bem rosinha. Isso realmente aumenta os seus pontos comigo. Mas eu também te achei muito linda. E pelo filme que você escolheu assistir, minha querida, seu cérebro deve ser tão bom quanto eu imagino.

Não vou negar que sinto uma tração física por você, mas não é só isso. E eu quero sentir mais do que o seu cu envolvendo meus dedos e língua. Eu quero você por completo.

A noite já havia caído. Não deu tempo de pensar ou de responder. Quando senti a barba por fazer dele tocar o meu ombro, me entreguei. E ele percebeu. Me deu um beijo intenso. Mas não demorado demais.

Logo mudou o foco de suas carícias. Com habilidade tirou o meu vestido e passou as duas mãos, lentamente, dos meus ombros até o início das minhas coxas. Passou os braços por trás de mim, mas não me abraçou. Desfez os dois nós do meu biquíni e admirou meus seios.

- Como eu esperava, rosinha também!

Meus mamilos, rosinhas como ele disse, já estavam rijos. Ele beliscou um com força, eu gemi alto, mas ele logo abocanhou o meu mamilo, como que por carinho. Em compensação ao beliscão.

Depois me deu outro beijo, enquanto massageava meu outro seio. Eu não consegui pensar em nada, muito menos não queria que ele parasse. Eu só queria aproveitar o momento.

Ele se afastou e me observou. Então, me virou de bruços e eu amei a sensação da areia nos meus seios sensíveis. Ele tirou a parte de baixo do meu biquíni e deu um beijo no meio das minhas costas.

De repente, com força, ele deu um tapão na minha bunda, colocou os dois polegares entre as minhas nádegas e com força, abriu minha bunda, fazendo o meu cu ficar completamente exposto.

- Como eu imaginava, alguns pelinhos, mas isso não atrapalha!!

Eu não sabia o que dizer, mas o meu cu estava em chamas e eu me senti virada ao avesso. Ele diminuiu a força com que abria a minha bunda, mas logo em seguida a abriu de novo, com mais força ainda, e eu gritei.

- Shhhhhhhhhhh!!!!

Então ele deu um beijo no meu cu. Eu achei estranho, mas tão íntimo. Então relaxei. E ele deu outro e mais outro e começou a chupar o meu cu, de repente, colocou a língua na portinha. Era uma língua quente e firme.

Eu relaxei ainda mais, queria que ele conseguisse fazer o que ele quisesse comigo. E deu certo, ele enfiou a língua dentro e eu me senti completamente dele.

Estávamos ligados da forma mais incomum e gostosa que pode existir. Ele abria as minhas nádegas, enfiando a cara dele no meu cu e eu percebi que se levantasse o quadril facilitaria as coisas pra ele.

Então ele parou e começou a beliscar o meu cu. Doía, mas eu gostava da dor. Ele então dava mais beijinhos de consolação e eu já estava toda derretida por dentro.

Ele me deu mais uns tapas, abriu mais ainda a minha bunda, enfiou a língua o mais fundo que pode e então parou. Virou me de barriga pra cima novamente, me pegou no colo e me levou para dentro d'água.

Quando a água estava no quadril dele, ele parou e me colocou em pé. Lavou o meu corpo da areia e chupou meus mamilos agora temperados pelo mar.

Ele enroscou minhas pernas na cintura dele e eu tomei sua cabeça em minhas mão, olhei em seus olhos e lhe dei um beijo com tanta força que minha língua doeu. Ele desceu as mão para minha bunda e enfiou um dedo no meu cu. Não senti dor alguma. Com a outra mão ele começou a estimular meu clitóris. E eu gozei na mão dele em menos de 1 minuto.

Ele começou a mexer o dedo que estava enterrado no meu cu e a água fria começou a entrar, uma delícia. Ele então colocou outro dedo, da outra mão, doeu um pouco, mas ele era muito cuidadoso e carinhoso. Perguntou se eu queria que ele parasse, eu disse que não.

Com dois dedo em mim, ele começou a distanciar os dedos, laceando o anelzinho do meu cu e fazendo entrar mais água. Eu gemi no ouvido dele. Ele então tirou os dedos.

- Não quero você arregaçada, quero fechadinha, só pra mim!!

Ele que estava só de bermuda, tirou a sua pica dura para fora e já meteu no meu cu. Deu estocadas com muita força, parei de contar na 20ª. Eu tive uns 4 orgasmos seguidos e ele continuava lá firme, me dando prazer sem parar.

Quando ele segurou meu cabelo, eu soube que gozaria, ele então parou as estocadas e despejou o seu líquido quente e espesso no nas profundezas do meu cu e eu gozei junto.

Para um primeiro encontro, eu decidi que já estava bom até demais. Saímos da água, eu completamente sem jeito, e ele normal, sem expressar vergonha ou arrependimento.

Eu coloquei a parte de cima do biquíni e o vestidinho e quando eu ia colocar a parte de baixo, ele me impediu. Pegou o biquíni de mim, guardou dentro da bermuda dele e mandou que eu agachasse, não entendi, mas obedeci.

Ele levantou a parte de trás do meu vestido, abriu minha bunda e mandou que eu fizesse um pouco de força. Quando fiz isso, um curto jato da água do mar misturada com a sua porra saiu de dentro do meu cu. Me senti um animal, mas amei aquilo. Com o dedo indicador, ele deu uma batidinha no meu cu, agora sensível. E disse:

- Boa menina!! - Levantamos. Ele me deixou em casa, sem a parte de baixo do biquíni, mas com um beijo tão quente que me enfeitiçou completamente.
TAGs: , , , , ,

Fogosa

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.

Nenhum comentário:

Postar um comentário