LightBlog

Estava em uma bela cidade do interior de nosso estado, onde acontecia uma Feira Agropecuária com a cabeça cheia de ideias otimista de poder...

Ensinando os prazeres do sexo para uma evangelica


Estava em uma bela cidade do interior de nosso estado, onde acontecia uma Feira Agropecuária com a cabeça cheia de ideias otimista de poder encontrar uma mulher para transar, afinal era semana dos namorados e nada melhor que uma buceta para alegrar o fim de semana.

Mas na quarta-feira por volta das 10:00 h da manhã recebi uma ligação da esposa do meu sócio que sem rodeios me pede para voltar a São Paulo, pois o Paulo, meu sócio, havia contraído dengue e haviam muitas coisas pendentes para serem resolvidas no escritório, ela mal acabou de passar o recado e desligou.

Eu tive que chamar um dos Operadores de Som e pedir que ele ficasse no comando e regressei para a capital, aonde cheguei no final da tarde, passei pelo escritório para saber das novidades e liguei para a esposa do Paulo, para comunicar que eu já estava na cidade e saber do hospital onde estava internado o meu sócio, fui visitá-lo e depois da visita fui para a minha casa.

Na quinta pela manhã fui ao escritório para resolver os negócios pendentes, que na realidade era apenas ir até o nosso deposito para mandar a aparelhagem de som e iluminação para um evento que seria no litoral, coisa corriqueira para o pessoal que trabalha conosco e que eles poderiam muito ter feito sem a minha presença.

Fui almoçar e voltei ao escritório onde fiquei até as 17:00 h, despedi me dos dois funcionários que lá trabalham e dirigi me ao elevador para descer até a garagem para pegar o carro e voltar para casa, quando a porta do elevador se abriu a primeira pessoa que vi dentro dele foi uma conhecida e ex-esposa de um amigo que tem um escritório dois andares acima do meu.

Cumprimentei-a, entrei no elevador, perguntei como ela estava e se tinha reatado o casamento ela disse que não que só tinha ido lá para deixar o filho que iria viajar com o pai e só voltaria na segunda feira.

Como eu sei que eles só têm um filho perguntei se ela iria viajar também, os familiares dela moram em Atibaia, cidade perto de São Paulo e ela me respondeu que não, que iria ficar em casa e que iria ao culto da igreja naquele dia.

Maria Helena, tem uns 42 anos, evangélica fervorosa, usa saia abaixo dos joelhos, blusa fechada e um cabelo que vai abaixo da cintura, logo que ela separou, uns três meses depois, tivemos um caso relâmpago e foi à maior decepção da minha vida.

Pensa em uma mulher cheia de "não faz isto e não faz aquilo que é pecado" e uma buceta que nunca viu uma depilação, foi só um papai e mamãe muito mal feito e ela me pediu para levá-la embora dizendo que nunca deveríamos ter feito aquilo, que era pecado!

Quando chegamos à garagem e fui pegar o meu carro e ela veio comigo já que o carro dela estava na vaga ao lado do meu, fui me despedir com um beijo no rosto dela e desejar lhe um bom final de semana, quando fui entrar no carro ela me pergunta se eu estava só, respondi que sim e ela disse que iria ao culto em uma Igreja perto de minha casa e se depois do culto ela poderia me visitar.

Para não ser mal educado e/ou indelicado respondi que sim, dei partida no carro e sai rumo a minha casa que fica em um bairro na zona norte. Passei em um super mercado, comprei umas garrafas de vinhos, queijos e uma carne e me dirigi para casa pensando na besteira que havia cometido ao aceitar que Maria Helena viesse na minha casa.

Eu que já tinha pensado em ligar para alguma amiga bem sacana para passar o final de semana comigo, ia ter que aturar na ante véspera de feriado uma mulher que em se tratando de sexo tudo era pecado.

Mas, fazer o que, o mal já estava feito, agora teria que aguentar as consequências. Ela chegou por volta das 22:00 h e começamos a conversar a respeito da sua vida de solteira. Indaguei se ela tinha arrumado namorado e ela respondeu me que não, eu retruquei em tom de gozação que ela deveria estar com "teia de aranha" e que ela precisava tirar.

Ela deu um sorriso amarelo e disfarçou como se não tivesse entendido, eu lhe ofereci uma taça de vinho enquanto fui preparar algo para comer e para o meu espanto ela aceitou e praticamente tomou o vinho de um só trago e pediu outra taça.

Depois da terceira taça de vinho percebi que ela estava bem soltinha e me perguntou em tom de brincadeira se eu tinha coragem de "tirar a teia de aranha" dela, eu disse que sim, ela então me pediu para levá-la ao meu quarto para ir ao banheiro tomar um banho.

Fomos até ao meu quarto e disse a ela para ficar à vontade e que havia toalhas no closet. Maria Helena pediu me então para eu ajudá-la a tomar o banho, levei um susto com o seu pedido e rapidamente fomos ao banheiro, abri o chuveiro enquanto ela tirava a roupa, quando vi o tamanho da calcinha que ela usava meu pau que estava começando a ficar duro amoleceu em menos de um segundo.

Ela usava praticamente uma calçola dos anos 50, quando a vi inteiramente nua e meio envergonhada, disse a ela que tinha um belo corpo e que se ela me deixasse iria lhe ensinar tudo o que ela não sabia sobre sexo, ela sorriu e disse que ela era toda minha.

Eu adorei a resposta e perguntei a ela se a gente poderia começar então raspando aquele monte de pelos que cobria totalmente a sua buceta e ela então perguntou como iríamos fazer.

Eu rapidamente pedi para ela voltar para o quarto e deitar em cima da toalha que eu faria o restante, peguei uma tesoura e comecei a cortar os pelos, em seguida passei creme de barbear e raspei o que restou deixando o caminho do paraíso totalmente descoberto e com um grelinho apontado para fora, em seguida a levei de volta ao banho e deixei-a só para fazer a sua higiene e fui pegar a toalha cheia de pelos para atirar na lixeira.

Ela saiu do banho toda sorridente e veio ao meu encontro, eu a abracei, dei um longo beijo em sua boca e praticamente a joguei na cama e fui passando a língua por todo o seu corpo. Ela gemia e se contorcia toda e eu fui descendo a minha língua, quando alcancei a sua buceta ela fechou as pernas e disse para não fazer aquilo que era pecado.

Fui ríspido e perguntei se ela queria ou não sentir as delicias do sexo, se a resposta fosse negativa ela podia vestir a roupa e simplesmente ir embora. Ela relutou e brigando com seus demônios internos foi abrindo lentamente as pernas e tentou cobrir o rosto para não ver.

Mas quando a minha língua mergulhou entre os lábios da sua buceta e tocou no seu grelinho seu corpo todo tremeu como se tivesse sido atingido por uma descarga elétrica, soltou um gemido bem alto e forte e se arreganhou por completo, ai eu meti a língua bem fundo naquela buceta já toda melada que até então nunca havia sido lambida e chupada.

Maria Helena começou a gemer e a tremer descontroladamente e não demorou ela gozou intensamente e ficou praticamente desfalecida por algum tempo devido a intensidade do seu orgasmo.

Quando ela recobrou a consciência eu comecei a beijar o rosto dela todinho e ela me perguntou o que foi aquilo eu disse que ela tinha gozado pela primeira vez na vida e quando ela menos esperava comecei a meter a minha pica na sua buceta com muito carinho, ela naturalmente começou a rebolar espetada na minha pica.

Passei a estocar firme e forte naquela buceta quente e apertada que agora mordia e massageava a minha pica toda, estava tão delicioso que não aguentei por muito tempo, gozamos juntos com ela enfiando as unhas em minhas costas e praticamente desmaiamos depois do intenso gozo que tivemos.

Acordamos por volta das 10:00 h da manhã de sexta-feira, dia dos namorados, fui para o banho e depois fui para a cozinha preparar um café para nós dois enquanto ela tomava o seu banho.

Quando estava terminando de fazer o nosso desjejum ela apareceu toda sorridente, totalmente diferente daquela mulher recatada da noite anterior, ela me abraçou e me deu um longo beijo e agradeceu me pelo que havia feito na noite anterior, sorri e convidei-a para sentarmos e tomarmos o nosso café pois o dia seria de muitas novidades para ela, peguei o telefone e liguei para o escritório avisando que iria aparecer por lá somente depois do almoço.

Enquanto tomávamos o café eu disse a ela que tinha algumas surpresas para ela e se ela estava disposta a fazer, sem titubear ela disse que sim que toparia eu então liguei para o salão de um cabeleireiro amigo perguntei se ele tinha um horário para atender uma pessoa especial, depois de muita conversa ele acabou pedindo que eu a levasse no salão por volta das 13:30 h, agradeci.

Convidei Maria Helena para almoçarmos fora, mas que antes tínhamos muito que fazer, a levei para um shopping e a primeira parada foi em uma loja de lingeries e eu escolhi varias e bem ousadas, ela olhava ruborizada tudo aquilo, comprei tudo que ela gostou!

Fomos à outra loja onde pedi para a vendedora que mostrasse a ela roupas da moda atual, mas que não fosse muito ousada, expliquei que minha namorada era evangélica e que queria mudar um pouco a maneira dela se vestir, deixei ela nas mãos da vendedora e fui tomar um refrigerante enquanto ela escolhia as roupas.

Fiquei passeando pelo local por cerca de uma hora e meia, ela me ligou dizendo que havia terminado as compras e que poderíamos ir almoçar, já era quase 13:00 h e não daria tempo nem para comermos um lanche, dirigimos nos para o cabeleireiro onde o meu amigo e ele me disse para eu ir cuidar do meu trabalho pois me ligaria quando ela estivesse pronta, beijei a e fui para o escritório.

Quando deu 17:00 h fechamos o escritório e liguei para o salão para perguntar se poderia ir buscá-la, mas a resposta foi que não me preocupasse que ela chamaria um táxi quando fosse liberada, cheguei em casa e liguei para um restaurante reservando uma mesa e fui para o quarto precisava de uma ducha e depois do banho tomei uma bebida e fiquei imaginando como ela ficaria.

Ela chegou por volta das 19:30 h, fiquei deslumbrado quando vi aquela mulher na minha frente com a nova aparência, os cabelos haviam sido cortados e recebidos uma nova tonalidade, rosto maquiado, unhas feitas e um sorriso maravilhoso.

Eu a abracei com carinho e depois de beijá-la falei que estava maravilhosa e ela me respondeu que era toda para mim e pediu que eu aguardasse na sala que ela precisava ir ao quarto e que voltaria rapidamente e ela voltou mesmo, mas com uma roupa maravilhosa que ela havia comprado e um Escarpam, a combinação perfeita para uma linda mulher, quanta mudança em menos de um dia, convidei-a para irmos ao restaurante e ela me disse que queria ficar a sós comigo e falou:

- Vamos pedir uma pizza, temos muito que conversar.

Ficar em casa era o que eu mais queria, liguei o som coloquei uma música suave e a convidei para tomarmos uma garrafa de vinho e ela topou na hora, fui até a copa buscar o vinho e enchi uma taça e entreguei a ela que com os olhos que pareciam sorrir para mim foi sorvendo e degustando calmamente a bebida.

Começou a me dizer que tinha se sentido uma rainha no salão, que estava maravilhada com tudo o que estava sentindo, que queria sentir os prazeres da noite passada, mas como se fosse à primeira vez, abracei, beijei-a e fui tirando aquele lindo vestido que ela estava usando deixando-a somente de lingerie que havia comprado para ela e que maravilha, ela estava simplesmente deslumbrante!

Ela usava um perfume inebriante, eu não aguentei e comecei a beijar aquele corpo deitados no sofá eu mais uma vez explorei cada ponto daquela nova mulher passando a língua por todo o seu corpo, chupei muito a buceta depiladinha, ela gozou e gemeu feito uma alucinada e quando passei a ponta da língua no seu cu ela deu um grito e se contorceu dizendo:

- Meu Deus!! Que coisa deliciosa!!! - ao ouvir aquilo pensei comigo:

- Você ainda não viu nada!! - enfiei dois dedos na buceta toda melada de gozo e meti a ponta da língua na porta daquele cu virgem descontrolando a de vez que rebolando e gemendo alto começou a me chamar de filho disto e daquilo e dizia que ela estava virando uma puta vadia.

Lagrimas escorriam pelos seus olhos eu não sabia se era de dor ou de puro prazer, então eu rapidamente tirei os dois dedos daquela buceta maravilhosa e parei de passar a língua naquele cu.

Ela prontamente reclamou pedindo para não parar foi aí que tive a ideia de colocá-la de quatro e enterrar o meu pedaço duro de carne e nervos na buceta da nova Maria Helena, pincelei a cabeça da pica entre os lábios da sua buceta e ela simplesmente empurrou a sua bunda para trás e engoliu completamente a minha pica de uma vez só.

Como era gostosa e apertada aquela buceta e parecia querer mastigar a minha pica toda, ela começou a rebolar e eu melei um dedo na sua buceta e meti lenta e carinhosamente no seu cu, ela foi à loucura e gozou feito uma messalina ninfomaníaca, ainda sem gozar tirei a minha pica de dentro dela e ela me pediu para que desse um tempinho para ela se recompor.

Ela virou se para mim e ficou olhando e apreciando a minha pica dura e toda melada apontando para o teto, segurou firme na base da minha pica e começou a esfregar a cabeça da minha pica por todo o seu rosto, depois passou a cheirar e a beijar a minha pica toda enquanto batia uma punheta bem lentamente.

Estava louco que ela abocanhasse e chupasse a minha pica, mas com certeza isso ela nunca havia feito e certamente poderia estragar a magia daquele momento.

Pedi para ela parar e voltamos para o vinho, resolvemos tomar um banho e depois que caímos novamente na cama comecei a chupar novamente a sua buceta, mas fiquei na posição para um 69 com a minha pica bem perto da sua boca e ela parecia não saber o que fazer ou parecia estar com nojo de abocanhar a minha pica, então eu falei como se fosse uma ordem:

- Abra essa boca sua vadia e chupe a minha pica!! - ela obedeceu colocando somente a cabeça dele na boca e eu falei - Chupe como se fosse um picolé!!! - e ela começou a chupar meio sem jeito, mas foi se acostumando aos poucos, mas ela gozou novamente e parou de me chupar.

Continuamos na mesma posição só que comecei a lamber e a meter a língua no seu cu e aos pouco fui enfiando um dedo, ela gemia, rebolava e se contorcia alucinadamente, resolvi então ficar de conchinha com ela e encostei a cabeça melada da minha pica na entradinha daquele cu que piscava alucinadamente.

Fiquei esfregando a cabeça da minha pica na entrada do seu cu e meti uma das mãos na sua buceta e comecei a dedilhar a sua buceta e a massagear o seu grelinho e ela naturalmente começou a empinar e a empurrar a sua bundinha para trás, fazendo com que a cabeça da minha pica começasse a forçar a entradinha do seu cu.

Comecei a sentir o seu anelzinho ir cedendo aos poucos e quando senti a cabeça toda melada da minha pica alojar se firmemente em volta do seu anelzinho eu forcei a cabeça da minha pica que começou a alargar o seu esfíncter, penetrando lentamente naquele cu apertado e quente.

Ela gemeu forte e alto e eu parei, perguntei se estava doendo e ela disse que sim, mas que eu continuasse devagar, passei então a beijar e a morder bem de leve a sua nuca e a sua orelha mordiscando o lóbulo e aos poucos ela foi empurrando aquela bunda gostosa de encontro a minha pica e eu deixei que ela ficasse comandando até que senti que estava com a minha pica toda agasalhada dentro do cu dela.

Comecei então a estocar lenta e carinhosamente aquele cu que tinha acabado de perder algumas pregas e ela foi se movimentando aos poucos, deliciando se com meu pedaço duro de carne e nervo todo melado deslizando lentamente dentro do seu cu. Aumentei a intensidade da massagem no seu grelinho, aí ela não aguentou e começou a gemer alto, quase gritando:

- AIII!! SEU FILHO DA PUTA GOSTOSO!! FODE O CU DA SUA PUTA!! FODE!! ENCHE O MEU CU DE PORRA!! ENCHE!! AI COMO É GOSTOSO SENTIR ESSA TUA PICA GOSTOSA TODA ENTERRADA NO MEU CU!! ESTOU ME SENTINDO UMA PUTA DE VERDADE!!

- Você agora é a minha puta!! Só minha!!! E eu quero foder esse seu cu gostoso todos os dias!! Sua putinha vadia!! Safada!!

Começamos então a sentir os estertores do gozo se aproximando com toda a sua intensidade e quando ela gozou parecia que estava urinando em minha mão ensopando o lençol e eu gozei enchendo o seu cu com minha porra, foi o gozo mais delicioso e intenso de toda a minha vida.

Passamos o final de semana juntos e ela me pediu diversas vezes para foder o seu cu, dizia que só assim ela se sentia uma fêmea completa. Segunda-feira chegou e cada um seguiu para os seus afazeres e compromissos, o dia passou tão rapidamente que só fui perceber quando recebi um SMS dela dizendo:

- ESTOU COM UM PROBLEMA NERVOSO MUITO SÉRIO!! ELE NÃO PARA DE PISCAR! ACHO QUE SÓ VOCÊ TEM O REMÉDIO!! - Terminei de ler o SMS e fiquei me perguntando:

- Será que é isto mesmo?

0 comentários: