Pages

Minha empregada religiosa virou putinha


Meu nome é Maurício e sou casado com uma mulher linda que se chama Simone. Somos casados há 15 anos e a nossa vida sexual não tem sido tão ativa ultimamente. Trabalhamos muito, eu, Gerente de um escritório de contabilidade e, Simone, Supervisora de uma loja de roupas.

Há um ano atrás, nossa antiga empregada, uma senhora de uns cinquenta anos pediu demissão, mas nos indicou uma sobrinha, chamada Carla, que, segundo ela, era muito honesta e religiosa. Minha esposa gostou da moça, pois tinha uns cabelos meio desalinhados, costumava usar uns vestidos horríveis, ia sempre a Igreja. tinha um namorado de meia idade e era separada do marido.

Mas aconteceu um incidente que me deixou maluco e louco de tesão pela Carla. Certo dia, havia esquecido um relatório em casa e vim pegá-lo por volta das dez horas da manhã. Deixei o carro estacionado na rua mesmo e quando entrei em casa, não vi Carla.

Achei que ela estivesse fazendo alguma coisa na cozinha. Fui até a cozinha para anunciar a minha presença, para não a assustar. Para minha surpresa, ao passar pelo quarto dela, percebi alguns gemidos vindo de lá. A porta do quarto dela estava entreaberta, aproximei me com cuidado para saber o que estava acontecendo.

A danada estava assistindo um filme pornô e se masturbando ao mesmo tempo. Fiquei louco de tesão com aquela cena. Afinal ela era sempre bem-comportada, agora estava se contorcendo na cama, com o vestido todo levantado e percebi um barulhinho de um vibrador.

Ela estava com um vibrador dentro da buceta tirando e enfiando, tirando e enfiando, e gemendo muito. Nem preciso dizer que aquela cena mexeu comigo, fiquei com vontade de entrar e dar a ela uma pica de verdade. Mas ao mesmo tempo não tinha coragem.

Carla estava parecendo uma putinha, contorcendo se de tesão com aquele vibrador todo enterrado na buceta melada dela. Sem fazer nenhum barulho, coloquei a pica para fora e comecei a bater uma punheta ali mesmo olhando aquela cena alucinante.

Quanto mais ela gemia, mais meu tesão aumentava. Carla ficou de quatro na cama e começou a bater uma siririca com uma das mãos e com a outra, meteu o vibrador no seu cu, gemendo bem baixinho de tesão. Foi ai que ela começou a se contorcer toda na cama e intensificar as metidas do vibrador no cu, percebi que ela iria gozar ali na minha frente.

Enquanto e ela gemia e gozava, eu passei a bater uma punheta bem rápido, louco de vontade de agasalhar a minha pica naquela buceta deliciosa, gozei na minha mão que ficou cheia de porra. Sai de fininho antes que ela percebesse, peguei meu relatório e fui trabalhar.

No dia seguinte, um sábado, eu e minha esposa acordamos cedo, tomamos café e saímos para caminhar. Quando voltamos, por volta das 10 da manhã, Carla, estava trancada novamente no quarto. Minha esposa dizia que admirava a fé dela pois sempre se trancava para rezar. Eu bem sabia como ela rezava.

Pois bem, já que ela tinha este costume de se trancar no quarto por volta das 10:00 h da manhã, na segunda feira decidi voltar para casa neste horário. Entrei com o carro na garagem e fiz questão de fazer barulho para que ela me ouvisse chegando.

Quando entrei, ela estava limpando a sala e eu disse que não atrapalharia pois só ia apanhar um documento e terminar um relatório. Sentei na poltrona enquanto Carla passava pano nos móveis. Ela estava visivelmente nervosa pois nunca antes havia ficado sozinha comigo em casa.

Enquanto ela se abaixava para limpar eu não tirava os olhos daquela bundinha linda. Notei que ela estava sem sutiã pois dava para ver os peitinhos dela balançando com os biquinhos durinhos. Ela, meio sem jeito, perguntou se eu queria comer alguma coisa. Eu pensei em responder:

"Quero comer a sua buceta e seu cu e chupar seus peitinhos!"

Mas limitei me a dizer que um suco cairia bem. Enquanto ela preparava o suco, percebi que ela passou a mão nos seios e mexeu embaixo do vestido. Percebi que ela estava com tesão assim como eu. De vez em quando eu olhava na direção da cozinha e via que ela estava me olhando, ela abaixava a cabeça e fingia olhar para outro lugar.

Levantei e fui até a cozinha com a desculpa de ajudá-la a fazer o suco. Passei por de trás dela e sem querem querendo rocei a minha pica na bundinha dela. Pedi desculpas e ela disse que não havia problemas. Passei por trás dela mais uma vez e demorei um pouco mais dessa vez.

Ela correspondeu dando uma reboladinha bem discreta. Parei naquela posição atrás dela e perguntei se poderia ficar assim, Carla deu um suspiro e disse que sim pois estava gostando. Segurei a firme pela cintura e comecei a esfregar com força a minha pica já dura naquela bunda gostosa. Ela já estava entregue ao seu tesão.

Passei as mãos nos peitinhos dela, alisei a barriguinha e desci para a buceta. Carla suspirava, rebolava esfregando se com força na minha pica e gemia baixinho. De repente ela disse:

- Ai patrão, sempre quis que me pegasse assim!

Eu fiquei louco de tesão ao ouvir aquilo. Virei-a de frente para mim e comecei a beijá-la no pescoço, na boca e nos peitinhos. Coloquei a de quatro e percebi que ela estava sem calcinha. Ao ver aquele rabinho lindo, comecei a passar a língua no cu dela que gemia de tesão, lambia o cu e a buceta alternadamente.

Chupei e lambi a sua buceta e o seu cu por uns dez minutos e ela gemendo e rebolando cada vez mais alto. De repente ela e me pediu para chupar a minha pica. Sem demora abaixei a calça e a cueca e ofereci a minha pica toda babada para ela matar o seu desejo.

Carla segurou no tronco da minha pica e começou a fazer uma chupetinha de se fazer inveja a muita puta. Ela batia uma punheta e chupava a minha pica ao mesmo tempo. Ela chupou tão gostoso que quase gozei na boca dela.

Pedi para que ela parasse pois queria fuder aquela buceta gostosa no quarto dela. Ela me pegou pela mão e me conduziu ao seu humilde quarto. Ao entrar, deitou-se na cama e arreganhando completamente as pernas, disse:

- Vem, meu patrão tesudo!! Mete essa tua pica linda na minha buceta, mete!! Me fode gostoso, vai!! Me faz gozar nessa sua pica gostosa, vai!!

Ver aquela moça com as pernas e a buceta melada toda arreganhada pedindo pica como uma putinha me encheu de mais tesão. Ela meteu dois dedos na sua buceta, bateu uma siririca bem de leve e levou os dois dedos melados para a sua boca, chupou os olhando me com cara de puta safada. Cai de língua naquela buceta melada de tesão. Enquanto eu chupava ela se contorcia e gemia. Eu sussurrei bem baixinho:

- Hum, você está gemendo igualzinho daquela vez que te vi se masturbando com um vibrador e vendo filme pornô! - Quando ela ouviu isso, gemeu mais ainda e começou a gozar e gritar:

- Safado estava me vigiando, chupa, chupa, ai vou gozar, vou gozar hum, hum...... que deelíiicia!!!!!

Ela segurou firme na minha cabeça e pressionou a minha boca de encontro a sua buceta que não parava de jorrar um líquido viscoso e meio salgadinho, a safadinha gozou intensamente na minha boca.

Depois de gozar gostoso, ela ficou de quatro e chupou a minha pica com tanta vontade que quase gozei na sua boca. Carla deitou com as pernas abertas e disse:

- Agora mete essa pica gostosa na minha buceta, mete!!

Aquele convite me deixou mais louco ainda, posicionei me no meio de suas pernas e a cabeça da minha pica encontrou sozinho a entradinha do seu buraquinho todo melado. Enfiei todinho, uma estocada só, naquela buceta gostosa.

Carla gemia e rebolava tanto que parecia uma cadelinha no cio. De repente ela me deitou na cama e disse que queria sentar na minha pica e queria sentir a minha pica toda enterrada no seu cu pois estava cansada de dar a bundinha para um vibrador.

Posicionou se em cima de mim, ajeitou a cabeça da minha pica com carinho na entrada do seu cu e foi sentando lentamente. Nossa, como o seu cu era apertado e quente, a minha pica foi entrando tão apertada que a cabeça chegava a doer.

Carla apenas mexia e gemia, mexia e gemia. Mais uma vez ela começou a gemer mais alto e dizer que ia gozar. Não aguentei e gozei muito junto com ela melando a buceta de porra também. Ficamos deitados bem abraçadinhos por uns minutos e ela me fez um pedido bem baixinho:

- Patrãozinho, agora quero que meta no meu cu de quatro, que nem uma cadela!!

Só de ouvir aquele pedido, a minha pica começou a latejar de novo. Carla começou a lamber meu pau de cima a baixo, chupou a minha pica com tanto gosto que parecia estar fazendo aquilo pela primeira vez naquele dia.

Ela desceu da cama e ficou de quatro abrindo bem a bundinha e deixando o buraquinho do seu cu todo melado de porra ainda bem exposto. Posicionei me atrás dela e a cabeça da minha pica na entradinha do buraquinho dela. Ela dava umas reboladinhas e pedia que eu metesse logo a minha pica no seu cu.

Segurei firme a pela cintura e sem pensar duas vezes enterrei tudo naquele cu gostoso, até o talo. Carla gemeu, mas logo começou a rebolar na minha pica toda enterrada no seu cu. Fiquei bombando naquele cu gostoso por um bom tempo até que não aguentei mais e gozei no cuzinho dela. Carla voltou a deitar na cama e disse:

- Pronto!! O meu sonho foi realizado! Você patrãozinho, é mais gostoso do que eu imaginava! Sempre me masturbava pensando no senhor!!

Eu contei para Carla do dia em que a vi se masturbando e que bati uma punheta enquanto a olhava. Ela me disse que fui muito bobo pois ela estava justamente se masturbando pensando em mim. Trocamos mais alguns beijos e me vesti pois tinha que voltar para o escritório antes que dessem por minha falta.

A noite, eu ainda estava com tesão só de pensar na transa com a Carla. Simone, minha esposa saiu do banho e me viu deitado na cama, eu estava com o pau tão duro que ela chegou a dizer:

- Bem, que é isso?!! Que tesão é esse?!! Falei que estava pensando nela enquanto se banhava, mas estava mesmo pensando no corpinho da Carla. Minha esposa chegou na cama e disse:

- Então deixa eu te ajudar a satisfazer este tesão!!

Simone começou a chupar meu pau deliciosamente. Peguei Simone de jeito, abri as pernas dela e chupei com vontade aquela buceta ainda pensando na buceta da Carla. Simone gemia e dia:

- Que delícia!! Você nunca me chupou tão gostoso assim!! Chupa mais...!! - Simone ficou de quatro e pediu para que eu metesse na buceta dela. Meti com vontade e Simone dizia - Hum meu bem que delícia!! Mete mais, estou gostando, mete!!

Para minha surpresa, Simone começou a gozar loucamente com a minha pica enterrada na buceta dela. Simone me deitou na cama igual a Carla havia feito comigo e encaixou a sua buceta na minha pica e começou a rebolar como uma safadinha.

Ver minha esposa rebolando na minha pica daquele jeito me fez lembrar ainda mais da Carla, lembrei do cu gostoso dela e pedi a Simone para me dar a bundinha. Minha esposa ficou surpresa e disse:

- Quer fuder meu cu amor?!! Mete então, mas bem devagar!

Meti no cu da minha esposa e só pensava no cu da Carla. Eu metia e tirava com tanta força que minha esposa gemia e pedia:

- Aiiii! Vai mais devagar!! Você está me rasgando toda!!

Depois de tanto meter e tirar acabei gozando deliciosamente no cu da Simone. Ela se deitou sobre mim e disse:

- Maurício, você não me fode assim há muito tempo. Quero ser sua toda noite assim!

Simone estava tão feliz com a nossa transa que decidiu fazer algo que nunca havia feito antes comigo. Ela pegou a minha pica e começou a fazer massagens nele e dizendo:

- Hoje eu quero chupar essa pica e quero que goze na minha boca!!

Nem preciso falar o quanto eu queria isso. Simone chupava e batia uma punheta. Meu tesão aumentava quando ela pedia:

- Vai meu amor!! Goza na minha boca, goza!! - Com muita habilidade e muita chupada, Simone me fez gozar na boca dela e bebeu todo meu leite. Ela sugava e dizia - Hoje você fez por merecer!!

Então ela se deitou ao meu lado e dormimos abraçadinhos. No dia seguinte, voltei para casa novamente por volta das 10:00 da manhã e Carla estava já deitada na sua cama prontinha para mim, e assim tem sido até o presente momento. Minhas transas com Carla durante o dia só me deixam mais excitado e com mais tesão para fuder minha querida esposinha todas as noites.
TAGs: , , , , , , , , , , ,

XYZ

Phasellus facilisis convallis metus, ut imperdiet augue auctor nec. Duis at velit id augue lobortis porta. Sed varius, enim accumsan aliquam tincidunt, tortor urna vulputate quam, eget finibus urna est in augue.

Nenhum comentário:

Postar um comentário